English French German Spain Italian Dutch

segunda-feira, 30 de março de 2009

terça-feira, 24 de março de 2009

Cheiro de Rosa!




Na minha humilde existência.
Tenho experimentado conviver com todo tipo de pessoas e situações.
Algumas mirabolantes e sem consciência
Hoje!Trabalho mais minhas emoções

Tão sereno e calmo.
Observo o mundo de fora.
Não mais agrido. Só desarmo!
E guardo na memória.

Sem preconceitos
Cada individua tem sua história...
E você conseguiu meu respeito!
Boa amiga!Morena rosa perfumosa!

Marcelo Aranha

terça-feira, 10 de março de 2009

video

sexta-feira, 6 de março de 2009

Mulher!

Estou por aí!
Queimando paranóias!
Amolando a língua.
Desenhando mentiras...
Regendo formas.
Germinando intrigas.
Amarrando cobras.
Fortaleço o aço da minha estupidez!
Desejando ser mesquinho...
Vestido de raiva admiro a minha nudez!
Faço meu coração vadio!
Gosto das mulheres escrotas!
Sim! Das que se garantem
Das mulheres que para muitos são loucas!
Das que dão em qualquer lugar!
Das que flertam com outras!
Das que dão um não sem vacilar.
Por banheiros de bar, atrás de muros!
Das que entram pra jogar.
Sem se juntar ao mundo.
Assim caminho na selva sociedade...
Vida anônima e comum...
Que desistiu de amizades.
Que ama ser algum!
Nessa montanha de vaidades.
Recordo das suas unhas em minhas costas.
Do meu membro em riste.
Se aconchegando nas suas curvas gostosas.
Fazendo por um momento que minha arrogância sumisse.
Carne pressionando carne!
O cheiro de suor e Secreções!
Lubrificando nossa cumplicidade!
Ampliando sensações.
Fazendo-me dócil e servil!
Até desmanchar-me gozo.
Esqueçendo-me do meu ego vazio.
E do seu rosto...

Marcelo Aranha

quarta-feira, 4 de março de 2009

A fúria acorda e rasga os medos que existiam...

Estava sufocado em uma pequena poça de lama...
Feita dos meus erros e meu sangue.
Dali tirava meu sustento.
Sempre as mesmas emoções sem futuro!
Uma dor fria e apaixonante.
Aceitei viver naquele canto escuro.
Lá estava protegido da vida que se tornou sufocante.
Mas,a fúria acorda e rasga os medos que existiam.
E o calor do sol foi estimulante.
Rastejei para fora da lama e respirei o ar puro.
Neste ar veio de tudo!Menos a dor medonha.
Burrice ou covardia? Acho que nenhuma!
Só isso que impedia-me de ver o sol?
E agora a luz dele ofusca á imagem da derrota em minha lembrança...
E com sorte logo será apenas cinzas.
Que o vento levará!
Pois,Rasgando meus pesadelos começo a construir um sonho novo!
E por força de tudo que é puro!
AHHHHHHHHHH!
Respiro fundo e dou o primeiro passo por cima do que aconteçeu
Abraçando o meu eu que nunca mais tinha visto!
Que ninguem aceite o mal tão bem como eu o vivi!
Como falou Renato!

"Mas, tão certo quanto o erro de ser barco a Motor
E insistir em usar os remos,
É o mal que a água faz quando se afoga
E o salva-vidas não está lá porque não vemos."

Marcelo Aranha